core web vitals

Core Web Vitals: o que é e como se adequar à nova atualização de SEO do Google

Com a evolução da era digital e constante uso de sites e blogs, o web vitals se tornou necessário. Mas, o que esse termo significa exatamente? 

Basicamente, esse sistema foi criado pelo Google para fornecer instruções e orientações para os proprietários de site, em relação à experiência do usuário. 

Imagine que diariamente uma pessoa está exposta a vários conteúdos e serviços, ou seja, ela pode navegar por diversos sites.

A experiência do usuário está ligada à satisfação que ele tem com determinado site, seja em consumir um produto de qualidade, ver um vídeo que seja do seu interesse, conseguir navegar pelas páginas com velocidade ou encontrar acessibilidade. 

Ou seja, são elementos que fazem com que seu site tenha qualidade e que são essenciais para que o usuário tenha um bom contato e impressão em relação à marca. 

Consequentemente, são fatores levados em consideração pelo Google para apresentar a página como resultado para os usuários. 

Para conseguir atrair o cliente, a empresa deve trabalhar em cima da melhora da experiência do usuário e é por isso que saber como utilizar o Core Web Vitals é essencial. 

Dessa forma, podemos resumir algumas características desta ferramenta como:

  • Melhora na experiência do usuário;
  • Capacidade de atrair mais clientes;
  • Proporciona um melhor desenvolvimento para a empresa;
  • Melhora a credibilidade do negócio.

Neste artigo, falaremos sobre a importância e o que é a adequação de sites conforme essa métrica e como ela pode te ajudar a ser um cases de sucesso na área de marketing. Confira os detalhes a seguir!

As métricas relacionadas ao Core Web Vitals

Para utilizar essa ferramenta, que é tão importante para a experiência do usuário em contato com sua marca, é fundamental conhecer as 3 métricas principais que balizam esse algoritmo e vão ajudar sua empresa a se posicionar. 

São elas o Carregamento (LCP), Interatividade (FID) e Estabilidade Visual (CLS). Vamos conhecer sobre cada uma delas e saber como aplicar em seu site?

Quando falamos sobre o Carregamento e sua sigla, é preciso compreender que esse é um termo com origem no inglês Largest Contentful Paint (LCP). Basicamente, sua função é verificar como está o carregamento da página, sobretudo, em relação ao conteúdo principal.

Um dos principais aspectos para verificar a qualidade em um site diz respeito ao seu carregamento, pois, estima-se que para o usuário ter uma boa experiência em relação ao site, ele precisa carregar a página inicial em até dois segundos, evitando que o usuário abandone a página e consiga visualizar se o material atende suas necessidades rapidamente.

Os sites que apresentam um carregamento ruim ou páginas que travam afetam a experiência do usuário e, consequentemente, tendem a perder clientes no mercado. Como a experiência é valorizada pelo buscador, há também a redução no rankeamento das páginas.

O segundo aspecto do termo em inglês é o First Input Delay, ou FID, que é responsável pela medição da interatividade, ou seja, quando o usuário consegue clicar e qual o tempo de resposta após essa interação. 

Estima-se que esse número precisa ser menor do que 100 milissegundos para que a experiência do usuário seja satisfatória. 

O último aspecto vem do termo em inglês Cumulative Layout Shift (CLS) e verifica a estabilidade da página no aspecto visual, por exemplo, se uma imagem muda de tamanho (principalmente durante o carregamento) ou se há objetos que mudam de lugar.

Esse número precisa ser abaixo de 0,1 para que o cliente tenha uma boa experiência. 

É muito importante que a empresa saiba que o Google dispõe de ferramentas que podem auxiliar a equipe no processo de monitoramento desses resultados e adequações das páginas.

Falaremos sobre algumas dessas ferramentas importantes para que sua empresa tenha bons cases de sucesso a seguir.

Ferramentas utilizadas no Core Web Vitals

Primeiro, falaremos sobre o uso do Chrome User Experience Report, que é uma ferramenta muito importante para a realização da coleta de dados que serão utilizados nas métricas listadas acima (carregamento da página, estabilidade no aspecto visual e interatividade).

Dessa forma, o site consegue avaliar de forma rápida e precisa como está o seu desempenho, sem a necessidade de contratar uma ferramenta externa para verificação de seu desempenho. 

O uso dessa ferramenta é importante pelo fato dela oferecer relatórios que ajudam na visibilidade dos dados e ser uma plataforma do próprio Google, o que faz com que a análise tenha mais propriedade sobre as melhorias possíveis.

Outro suporte importante é o PageSpeed, que pode ser utilizado no sentido de organizar as ações de melhorias para adequação das métricas, além de trazer um direcionamento de quais atividades precisam de uma atenção especial para que essa métrica aumente. 

Por fim, vale ressaltar que o Google Search Console, também pode ser utilizado no sentido de promover uma melhora no desempenho da página e das métricas. 

Além disso, ele contribui para que o site seja avaliado e indexado pelo Google, o que faz com que essa ação seja ainda mais necessária para alcançar os potenciais clientes e ser avaliada e adequada para as normas do buscador.

Compartilhe nas redes

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp

Artigos relacionados

O que achou desta publicação?

Ebook Inbound Marketing

Ebook Grátis

Descubra o que é Inbound Marketing e como você pode revolucionar seus negócios através dessa poderosa ferramenta.

ebook Facebook Ads Guia Definitivo

Ebook Grátis

Descubra como criar campanhas no Facebook Ads e veja dicas comprovadas para aumentar suas conversões.